online

***************



BRASIL , Sudeste , SOROCABA , Mulher , de 36 a 45 anos , Portuguese , Informática e Internet , Livros























Meu Humor





mandy_moore




*Link-me*









*Eu Visito*























Votação

Dê nota p/ meu blog



*Eu Ganhei*











::Indique esse Blog



01/07/2009 a 31/07/2009

01/10/2008 a 31/10/2008

01/08/2008 a 31/08/2008

01/07/2008 a 31/07/2008

01/06/2008 a 30/06/2008

01/04/2008 a 30/04/2008

01/03/2008 a 31/03/2008

01/02/2008 a 29/02/2008

01/01/2008 a 31/01/2008

01/11/2007 a 30/11/2007

01/07/2007 a 31/07/2007

01/05/2007 a 31/05/2007

01/04/2007 a 30/04/2007

01/03/2007 a 31/03/2007

01/02/2007 a 28/02/2007

01/01/2007 a 31/01/2007

01/12/2006 a 31/12/2006

01/10/2006 a 31/10/2006

01/09/2006 a 30/09/2006

01/08/2006 a 31/08/2006

01/07/2006 a 31/07/2006





Visitas





Créditos



Um amor pra recordar...
Má Oliveira
 

desperdicei tempo demais

com minhas interrogações...

medo da incompreensão...

tolas aflições...

 

e agora você parte...

tento explicar ao meu coração,

que não haverá prorrogação...

ele não me entende...

sofre desmedidamente...

 

nessa impotência, respiro lentamente

não há mais pressa de ir a qualquer lugar...

e de que adiantaria eu chegar?

não há mais você por lá...

apenas teus relatos pra sonhar...

e eu que sou tão pontual,

logo agora fui me atrasar...

 

é...

naquele dia eu não deveria ter ido trabalhar...

teria te ouvido mais um pouquinho...

mais de ti pra guardar...

 

e mesmo sem a gente se tocar,

a saudade me arde,

e a umidade não há como disfarçar...

se hoje falo nisso naturalmente

é porque você abriu minha mente,

fez eu me soltar...

 

nas veias, uma saudade infinita circulando...

dias frios,

pro cárcere retornando...

 

champagne por companhia...

bombom,

livro na mão...

 

a tatuagem prometida,

não há mais porquê...

pois já te tatuei  

no coração...

 

e se o amor é um ato de fé,

abençoada seguirei

pois fui amada

e amei,

como te amei!!

 

 

Publ. Recanto das Letras - 24/07/09 - Má Oliveira - 
Cód do texto: T1717308
 

Postado por Má Oliveira às 00h20
Deixe uma mensagem

Afeto e Glacê...
Parabéns pra você!
Má Oliveira
 

estes dias vazios, eu já previa.

no momento em que o céu sobre mim desabou

e meu chão, se ausentou...

sabia que não mais haveria o fremir do meu corpo nas manhãs...

senti  que o outono aqui se instalaria,

soube isso no momento em que a lua pro meu quarto se mudou...

e a cama tão grande ficou...

Você dizia: "Nossos sonhos nos levam a onde queremos ir"

então, hoje, estou ai...

e nessa eternidade vamos festejar

esse aniversário que aqui não vai acontecer...

e então, o primeiro pedaço de bolo,  vou ganhar de você...

me lambuzar de afeto e glacê...

 no parabéns pra você, vou dançar,

depois te sacanear e suas velinhas assoprar...

e mesmo que por um segundo, te tocar...

preciso acreditar

 

tanta coisa mudou, mas não o meu amor,

nem essa carrasca saudade...

nem tampouco essa insuportável dor!

 

brilhe pra mim agora e eu te seguirei...

quero desfrutar dessa eternidade ao teu lado

preciso viver...

me despir de tanto amor acumulado...

  

Publ. Recanto das Letras - 25/07/09 - Má Oliveira - Cód do texto: T1718621

Postado por Má Oliveira às 00h17
Deixe uma mensagem

Oração!
Má Oliveira
 
Hoje convido-os a orarmos
uma oração diferente...
 
Oremos, não pelos doentes, que tantas orações vêm recebendo e Deus por eles já tem olhado e diariamente por eles temos orado...
 
Só por hoje, oremos por aqueles que adoecem os outros...
aqueles que com sua maldade infinita levam a dor aos corações e lares alheios...
Oremos por aqueles seres mesquinhos que ferem sem piedade, massacram sem compaixão...
Oremos para que o Poder de Deus chegue até esses seres infelizes, que se alimentam das discórdias que promovem...
E com lágrimas inocentes, se embriagam...
 
Oremos hoje, não pelas crianças abandonadas ou sexualmente abusadas...
Organizações e Pastorais já se mobilizam por elas e por justiça diariamente clamamos...
 
Hoje oremos por aquelas que são mal amadas, subjugadas, obrigadas a fazerem coisas que lhe ferem os sentimentos e lhe doem os coraçõezinhos...
Crianças que tem seus direitos usurpados em nome da Lei...
Crianças cujas escolhas são ignoradas...
Desrespeitadas por aqueles que deveriam compreendê-las e protegê-las...
Humilhadas pelos que deveriam elevá-las...
E ainda que sejam frutos de supostos erros ou pecados (!!??),
não podem por isto serem julgados e condenados ...
 
Oremos pelo anjo da guarda destes pequeninos que sofrem e não podem reagir...
Miudinhos sofrendo...
meu coração espremendo...
Suas lágrimas rolando...
as minhas acompanhando...
Me fazendo ter ainda mais nojo de nossas leis e de alguns SUPOSTOS defensores dela,
que com seu desconhecimento e despreparo, aterrorizam a quem deveriam apoiar e
faltam com seu juramento...
 
Oremos pra que Deus tenha compaixão dessas pessoas insensíveis e lhes abrevie os dias de maldade, lhes conscientizando e esclarecendo o verdadeiro sentido do amor...
Não peço pra que seu tempo se abrevie,
pois eles muito ainda têm pra aprender...
 
Irada, muito irada com a crueldade de alguns seres que se denominam, INDEVIDAMENTE, de humanos e fazem de suas preciosas crias, não bençãos, mas sim troféus ...
Orando pra que a Virgem Maria guarde esses anjinhos e arranque essa dor de mim...
 
 
 

Ave Maria,
cheia de graça, o Senhor é convosco, bendita sois Vós entre as mulheres, bendito é o fruto em Vosso ventre, Jesus.

Santa Maria Mãe de Deus, rogai por nós os pecadores, agora e na hora da nossa morte.

Amém.

 
Publ. Recanto das Letras - 13/07/09- Má Oliveira - 
Cód do texto: T1697946

Postado por Má Oliveira às 00h15
Deixe uma mensagem

Vem brincar
Má Oliveira
 
você chegou,
com sua lingua atrevida
me percorrendo...
se aconchegou
e em meus ouvidos,
besteirinhas foi dizendo
 
meu corpo arrepiando...
hummmmmmmm
você se empolgando!
eu... disfarçando
 
mas suas mãos desobedientes
insistiam em me invadir
e coceguinhas comecei a sentir
mesmo você dizendo que não se sente cocegas ali...
 
e entre suores deslizantes
nos amamos como antes...
como se um fardo tivesse sido arrancado
e nos entregamos como no passado
 
muito mais tarde,
entre seus braços adormeci...
esquecendo o inferno astral
que nos últimos tempos vivi
 
e pela manhã...
entre café e pãezinhos...
travesseiros novamente ao chão...
chocolate adocicando o colchão...
 
mais a tardinha
brincamos de médico e também de casinha
trocamos sorvetes e balinhas...
e hoje, você vai demorar pra chegar?
é que já tô com aquela coceguinha...
vem logo, vem me examinar...
com a minha bonequinha brincar
 
vem em mim mergulhar...
 

 

 

Publ. Recanto das Letras 13/04/09- Cód texto: T1537396

Postado por Má Oliveira às 00h12
Deixe uma mensagem

Desanuviar...
Má Oliveira
 
De banalidades, te alimentas
onde a honestidade não pede lugar...
e o ímã da solidão
não consegues abandonar...
 
mentiras ditas por rostos bonitos,
fazem teu ego inflar...
irrelevante se lágrimas encharcam asas 
impedindo de o vôo alçar...
e se as cicatrizes aumentam
você ainda consegue me culpar...
 
falsidades são mais fáceis de você lidar...
consegues melhor se identificar...
 
ainda posso ver aquela sua luz
que me cativou
mas não brilha mais o suficiente
pra apagar tudo que você me privou...
 
confusa...
talvez incompleta...
 
você perdeu.
Ninguem te venceu
foste derrotado pelo teu maior inimigo
esse teu desmedido "eu"
 
e aquela névoa que impedia 
do amanhã eu enxergar
hoje, encobrirá o teu olhar...
com licença
preciso ir, já atrasada,
minha vida recomeçar...
 
Publ. Recanto das Letras 07/04/2009
Código do texto: T1526958

Postado por Má Oliveira às 00h11
Deixe uma mensagem

Devaneio...
Má Oliveira
 
eu só queria um copo de vinho,
uma conversa inteligente...
ler um bom livro, relaxar...
me sentir leve...
rir de mim!
 
ouvir frases sem nexo
viajar...
quem sabe até pular algumas ondinhas no mar,
não me assustar com borboletas...
descomplicar!
meus medos confessar...
 
Ter alguem que me ouvisse, se possível,
sem me interromper
Poder ficar quietinha quando eu quero pensar...
Andar devagarzinho, sem pressa de chegar...
Sentar descontraída e filosofar!
Acordar depois do meio dia,
sem ninguem pra reclamar!
Contar minhas estórias, sem chocar...
Sair do meu casulo, ousar!
Parar de ruborizar...
de promessas, começar a desconfiar...
me reencontrar...
 
ter noites longas... por opção...
chorar só se for sem razão...
por você não sentir tesão...
 
E se são planos que alimento
e ainda não é o meu momento...
não me prive de sonhar...
me permita,
mesmo com todos meus conflitos interiores,
desejar...
tão bom devanear....
 
 
Publ. Recanto das Letras - 07/07/09- Má Oliveira - 
Cód do texto: T1687635

Postado por Má Oliveira às 00h09
Deixe uma mensagem

 

 

Alucinação...

Má Oliveira

 

Em silencio, apenas me olhando...

leve sorriso, esboçando...

o vento em você festejando...

 

meus pensamentos tento desviar

e a este devaneio não me entregar

 

teu cheiro invade o ar

tua gargalhada, domina o lugar

ao toque das tuas mãos,

vou ao chão!

 

o arrepio percorre meu corpo,

minha voz faz silenciar

pânico, a me dominar!

 

deixo-me guiar,

a água em meu corpo,

não faz tua imagem dissipar...

 

e, sem nada entender,

entrego-me a essa alucinação

embrenho-me pelo colchão

perco-me nas asas da imaginação...

em mim, dedilhas uma canção.

 

meu ventre em saliva e mel

encontro o céu!!!

 

entre minhas coxas deslizas

e os gritos de ontem,

já não podem mais me ferir...

 

nossas lágrimas se misturam,

como num pacto...

um juramento...

tatuando esse momento

 

você me diz que não pode ficar,

me pede pra te acompanhar,

tento me esquivar,

você diz que eu devo confiar

 

basta eu te estender a mão

e todas as verdades surgirão...

tudo deixará de ser alucinação...

 

e me é real...

 

como vou poder te acompanhar?

 

quem é que vai acreditar...

 

 em soluços,

te vejo partindo

 

e na cama ainda quente,

vestígios teus, tento encontrar... 

 

me entrego ao sono,

quem sabe possa, novamente,

contigo sonhar...

 

prometo não me assustar...

vem...

me faz alucinar!

 

 

Publ. Recanto das Letras - 01/06/09 - Má Oliveira - 
Cód do texto: T1626347

 

Postado por Má Oliveira às 00h07
Deixe uma mensagem

NetVirtua,
(esclarecimentos a população)
A culpa é minha!
Má Oliveira
 
 
É muito fácil vocês acusarem a NetVirtua de incompetente e péssima prestadora de serviço.
Declaro que esta empresa está sendo injustiçada! Saibam, a CULPA É MINHA!
 
Começa pelo fato de que eu voto em politicos imorais, incapazes de fazerem legislações descentes que nos dêem um mínimo de tratamento digno pelas empresas prestadoras de serviços.
 
Não bastasse essa culpa imensa que sou forçada a carregar, ainda existe o fato de que FUI EU quem contratou uma empresa inapta a prestação do serviço por ela ofertada.
EU sou a pobre que precisa de preços módicos, me esquecendo que o barato sai caro!
Que culpa a NETVIRTUA tem de me empobrecer um pouco mais????
Gente, pega leve!
A escolha idiota foi minha!
 
E tem o mais grave, não sei se vocês sabem mas SOU EU quem congestiona as linhas de atendimento, reclamando pela falta e/ou lentidão da conexão.
Segundo a digna empresa, EU SOU a única pessoa que reclama dos serviços por ela prestados!
"Eu si matu!!!!"
 
E também SOU EU quem estressa o antipático do rapaz do atendimento eletrônico (tenho dó de quem emprestou a voz praquelas gravações medíocres!!!) e por isso ele só sabe me dizer que "não conseguiu entender o que eu quero, mas mesmo assim, "tudo bem" (aff! essa frasesinha dele é de lascar!"), vai me repetir tudo de novooooooooo!"
Afinal, quando entro em contato com eles, estou tão estressada que, com certeza, ao digitar o número desejado, devo digitar gaguejando...
Como posso exigir que uma gravação entenda eu gaguejar o toque de um digito???
 
E daí que eles fazem teste de conexão, com downloads em páginas sem nenhum trânsito???
Eu queria o que?
Que testassem a velocidade no YouTUBE ou baixando PSP10?
preciso deixar de ser tão abestada!
 
E querem saber de mais uma coisa:
Eu que me exploda se formatei o CPU duas vezes, por recomendação deles e, na verdade o problema era técnico e na minha região...
Como bem me disse hoje a atendente Tatiane (protocolo 007090008008496), formatar o PC é muito bom!!!!
Porque será que me irritei em perder todos os meus programas e ter que reinstala-los???
Sou uma desinformada...
 
E, quando eu disse a atendente, que ela estava me tratando como uma idiota, ela me ameaçou, me disse que se eu não controlasse ia desligar!
 
Gente! Como eu iria sobreviver sem continuar ouvindo ela me tratar como retardada????
Não falo! A CULPA É MINHA!
Eu desestabilizo o bom funcionamento da empresa...
SOU incapaz de entender que os conselhos deles é coisa de mãe pra filho (da P.)...
 
No natal vou mandar um relógio de parede pra NETVIRTUA, pois quando eles dizem que o problema será resolvido até determinada hora, eles nunca cumprem e cheguei a conclusão que eles não dispõe de relógio, como posso cobrar que sejam pontuais?
 
Outro ponto que quero aproveitar pra esclarecer a população é que EU NÃO TENHO UM CASO COM NENHUM FUNCIONÁRIO DA NETVIRTUA, o fato de ter sempre um carro deles no meu portão, ou um deles trepado no meu telhado, bem como o fato de que vejo mais os técnicos da net do que meu namorado, mas isso nada tem haver com relacionamentos amorosos.
 
Mas pelo bem geral do Mundo dos Nets, vou comprar dez kilos de amendoim japones e descarregar toda minha raiva triturando aquilo tudo nos dentes, sonhando serem cabos netianos.
 
Um lindo dia pra todos, desejando que estejam com a conexão bombando, os downloads perfeitinhos e, se assim não for, que a
Nossa Senhora do HD Virgem
auxiliem vocês, na hora de conseguirem seus protocolos "
 
 
 
Publ. Recanto das Letras 26/05/09 - MáOliveira-
Cód. Texto: T1615673
 
 

Postado por Má Oliveira às 00h03
Deixe uma mensagem

Impossible Love
Má Oliveira
 
 
Eu poderia ter te amado!
Mas não tive como me entregar...
nem com toda a força do teu olhar
 
nem mesmo esse teu sorriso arrebatador
pode despertar em mim, o amor...
 
queria ter aceito teu carinho
enveredar nesse teu ninho...
 
mas não aconteceu
coração não obedeceu...
nem quando o corpo estremeceu...
 
afinidades sem fim...
muito de você em mim...
 
almas se refletindo...
pensamentos antecipados
sonhos compartilhados
destinos separados...
 
e nessa incoerência chamada vida,
anjo e sereia se encontraram no momento errado...
e o Feitiço não pode ser quebrado...
prosseguindo o mistério
impossible love, enterrado...
nunca teriamos consumado...
 
é...
eu sei que teria me apaixonado...
mas meu coração já era e continua habitado...
 
a oportunidade virou passado...
agora é viver os novos rumos traçados
respeitar quem está ao meu lado...
 
deixar que o universo decida
se na outra vida,
vou cruzar com você
e se esse amor vai acontecer...
 
talvez você me venha com menos urgência
e eu consiga te absorver
sem te temer...
 
vai em paz...
até mais.
 
Publ. Recanto das Letras - 05/05/09 - MáOliveira - 
Cód do texto: T1578060

 

Postado por Má Oliveira às 23h58
Deixe uma mensagem

E você diz ser amor...
Má Oliveira
 
 
Não profane o verbo amar
você não foi homem de conjugá-lo
e suas inversões de valores
hoje, não vão ajudá-lo...
 
nesse teu falso estilo antiquado
suas verdades quer pregar
olhe pra você!!!
está em condições de alguem julgar?
 
você é bom pra gritar,
dominar...
tudo tem  que em torno de você girar?????
 
 
cadê você na hora de apoiar?
inútil procurar...
e meus medos
eu que trate de administrar...
 
e se me atrapalho e tento me explicar
você nem quer escutar...
feito tufão
vem me detonar
 
primavera?
nem pensar...
 
próxima etapa...
você me culpar!!
 
solidão, recusa-se a continuar...
e você ainda insiste em dizer me amar...
 
dá, pra só por um dia, me odiar?
talvez, assim, consiga,
quem sabe,
por um momento...
não me magoar....
 
até porque
hoje descobri que o que você quer,
não tenho mais  pra te ofertar
 
então pare de minhas energias sugar,
afaste-se
quero respirar...
 
 
 
Publicado no Recanto das Letras em 05/05/09
Código do texto: T1577942

Postado por Má Oliveira às 23h52
Deixe uma mensagem

Eu só queria...
Má Oliveira
 
eu só queria algumas certezas
ter o meu pensamento aqui...
que quando eu te olhasse
ainda conseguisse me ver ai...
 
acreditar que tuas cobranças
não são desculpas...
não carregar sempre as culpas.
 
que meu corpo não gemesse
e minha alma não sangrasse
que as dúvidas não gritassem
e as mentiras não te dominassem
 
poder ser feliz!
 
que teus devaneios eu entendesse
que eu não enlouquecesse...
 
que teu amor declamado
deixasse de ser verbalizado
e passasse a ser praticado
 
olhar pra você e não encontrar
essas sombras
nunca mais...
  
talvez eu queira demais...
uma estranha utopia em
desejar um pouco de paz...
 
Publicado no Recanto das Letras 18/03/09
Código do texto: 1493459

Postado por Má Oliveira às 23h36
Deixe uma mensagem

Sem Você...

Má Oliveira

 

você me decepcionou, me desiludiu,

arrancou meu cio...

meu corpo, já quase um cadáver

sem arrepio...

 

mais ainda sinto falta 

do toque que não chegou

do nectar quente,

que não jorrou...

saudades do lençol molhado,

travesseiro jogado ao lado

gemido disfarçado...

aquele gole de água esperado

 

meus lábios ensandecidos

pelo beijo que não pousou...

pela língua que não me explorou

corpo tremulo,

pela mão que não passeou...

 

minhas pernas vou fechar,

sossegar meus seios,

tentar não me mexer na cama

não me aquecer em você

 

 fingir dormir...

 

do meu olhar

vou dissipar os anseios...

e esse suor que vai me escorrendo...

tentar não notar...

 

pensar em coisas sem nexo...

esquecer sexo...

por meu corpo pra dormir

ignorar o que estou a sentir...

 

ficar assim...

talvez tocar em mim...

 

Publ. Recanto das Letras - 17/03/09 - Má Oliveira - 
Cód do texto: T1490831
 

Postado por Má Oliveira às 23h34
Deixe uma mensagem

The End
Má Oliveira
 
Como sapato velho, abandonado...
num canto qualquer do armário guardado...
batom quebrado...
Feito roupa surrada, que não ostenta mais nada...
 
Aquele livro já re-lido, 
na estante esquecido
 
Não te estimulo
Não te excito
Não te faço sonhar
 
Comigo são só brigas
não há mais brilho no olhar
 
a companhia já não agrada
a cama não seduz...
 
a paciência se foi...
a presença,
virou cruz...
 
e assim,
vivemos esse the end
sem heróis
só final...
 
arrastamo-nos por tantos anos
que o adeus, hoje,
seria só um tchau...
com delicado gosto de sal...
 
e o anjo se revelando
mera tatuagem desbotando...
 
interesse divergente...
gente diferente...
preguei o fim eminente...
 
e essa corrente maldita
meu pulso ainda faz sangrar
como arrebentar?
 
 
 
 
Publ. Recanto das Letras 12/03/2009
Código do texto: T1482045
 

Postado por Má Oliveira às 23h32
Deixe uma mensagem

"Para Sempre"
Má Oliveira
 
 
Deveria ser assim:
eu cuidaria de você, você cuidaria de mim...
Mas não prosperou.
 
Eu preciso de você,
me encolhe a mão,
esconde o lenço,
me perco na multidão...
 
Para sempre
ganha um novo tom...
De belo passa a punição
Pra sempre?
Espero que não...
 
Pub.Recanto das Letras em 26/02/2009 - Cód texto: T1458106

Postado por Má Oliveira às 23h30
Deixe uma mensagem

Deixa rolar...
Má Oliveira
 
 
Deixa a lágrima rolar...
pra com o brilho da tua falsa vitória,
combinar...
 
Ah! Peso da tua mão!
Asas "cortadas",
eterna submissão?
 
acho que não...
o nó tá desatando,
quase já posso atirá-las ao chão...
 
Mesmo que eu sangre até o fim
será melhor do que tuas constantes ameaças
pesando sobre mim...
 
E que fiquem  pelo caminho
meus pedaços...
e que o temporal me abata assim...
se é pra ser...
que seja esse então o meu fim...
 
mas do trovão de tua voz
quero me libertar
não mais me curvar...
não ter que perdoar...
 
vou naufragar?
 
ando querendo arriscar...
 
será que com os lírios, que eu cultivo,
você vai me enfeitar?
vou gostar...
 
que me banhe o vermelho,
venha-me essa dor.
mas que eu saia desse negrume
desse conto de terror!
 
que seja solto o meu riso
e não querendo...
a isso não seja forçada
escondendo o que se passou...
atrás de uma fachada...
 
era pra mais uma vez me calar?
em meio as lágrimas e medo,
esta parte do recado
não deu pra assimilar...
 
eu não consigo meus pulsos soltar...
mas minha voz ainda pode ecoar
agora sou eu quem diz...
deixa rolar...
 
Quem sabe pessoas menos covardes do que eu,
criem coragem de voar...
 
 
Publ. Recanto das Letras - 12/01/09 - Má Oliveira - 
Cód do texto: T138182
7

Postado por Má Oliveira às 23h29
Deixe uma mensagem

Devolva-me!

Má Oliveira

 

 

Hoje não vou chorar...

demorou nove anos, mas entendi,

você não vai voltar...

 esse assovio que ainda ouço no portão...

é só ilusão...

 

Sem cobranças das promessas rompidas....

das alegrias vividas....

 hoje vou mentir que não sinto mais

o perfume das flores do seu caixão...

 

Hoje, eu só queria saber

se você está bem...

se sente falta de mim, também...

 ouvir você me contar dessa sua nova experiência...

te falar da minha vida depois da sua ausência...

 poder contigo negociar

me devolves a parte de mim

que contigo levou

em troca, prometo acreditar

que o sonho apenas modificou...

 preciso desse pedaço

pra me sentir novamente inteira...

viver...

de qualquer maneira...

 Pra parar de te sentir tão perto...

não ter mais que ouvir me dizerem

que isso não é correto

como se essa sensação

fosse uma opção...

 não sei como te dizer...

nem qual vai ser sua reação...

mas preciso estar inteira

pois vivo uma nova relação...

 ele não entende essa nossa ligação...

essa coisa de amor que partiu

e com o tempo virou anjo irmão,

com o qual é possível dividir o coração...

 

pra isso eu precisava

 que essa saudade tivesse diminuído...

que você não me habitasse tanto assim...

 Devolve, por favor, esse pedaço de mim...

preciso, preciso mesmo estar inteira aqui. 

 

Publ Recanto das Letras 13/12/08 - Má Oliveira - Código do texto: T1332758

 

 

Postado por Má Oliveira às 23h26
Deixe uma mensagem

Ser contente!
Má Oliveira
 
Quando Nosso Papai fez a natureza
 diversificou...
a criatividade aflorou...
 
Fez árvores que ao céu querem chegar...
umas robustas e outras que dão frutinhas...
fez tudo só pra nos agradar...
 
Flores belas, perfumadas...
outras que ferem sem querer...
algumas desajeitadas...
rastejantes...
mas não menos importantes...
 
Fez filhos com pele, pelo, pena, escama...
Impossível dizer a qual ele mais ama...
 
Fez negros, brancos, amarelos, avermelhados...
Olhos grandes... puxados...
 
E nesse amor incontido, te fez
e te fez diferente...
 
sorridente!
 
Jóia rara, presente...
Nem todo mundo entende...
 
Anjo de olhar alado
trazendo seu recado
por curiosos admirado...
pelos demais... amado!
 
Chegas trazendo lições,
que nem um outro poderia ensinar...
Pois és pureza infinita
que nunca vai acabar...
 
não conheces a malícia, mentira, ou ingratidão
sobrando mais espaço pro amor em teu coração...
 
não há limites pra você...
o limite está na cabeça de quem te olha
 
e não te vê...
 
tudo você pode fazer...
 
talvez o que assuste essa gente
não é você ser diferente...
mas o fato de você estar sempre contente...
 
mesmo no meio dessa gente que se diz normal,
e com um único cromossomo diferente...
vivem doentes...
do coração e da mente!
 
desconhecem a alegria permanente...
 
você não tem um cromossomo a mais...
nós, infelizes, é que nascemos com um a menos...
então a felicidade e a pureza
jamais teremos...
 
 
Publ. Recanto das Letras 06/12/08 - MáOliveira - Cód texto: T1321543

Postado por Má Oliveira às 23h22
Deixe uma mensagem

Sonhar?

Má Oliveira

 

nem isso me é permitido...

nem que seja atendendo a um pedido...

deturpam-se palavras...

usam-nas com o arco invertido...

e se de amor eu falei...

serpente despertei,

cujo bote certeiro,

com um "enviar" te envenenou.

Posso falar de dor, mas jamais de paixão...

Que deslize, perdão!

recolho-me a minha solidão...

minhas letrinhas amontoando

pra gaveta voltando

junto a sentimentos que ali já estão amarelando.

Mas é pro teu sorriso retornar...

asas ao vento?

agora, só no meu pensamento.

Publ. Recanto das Letras 28/11/08 - MáOliveira - Cód texto: T13007731

Postado por Má Oliveira às 23h20
Deixe uma mensagem

Ainda só no olhar...
Má Oliveira
 
hum...
hoje eu queria teu abraço
me prender nesse laço...
coração em descompasso...
 
sentir o calor do teu corpo
em tuas coxas, me embrenhar
sentir você me dominar...
 
não ficar apenas olhando
nossos cabelos branqueando...
 
hoje eu queria na espinha, o arrepio
e feito gata no cio
tremer sem sentir frio...
 
viver essa estória
além do papel
não ser possuída apenas  por
teu olhar cor de mel...
 
sentir você me pesando
pudor se ausentando...
 
"nosso" perfume misturar
me permitir te pertencer
me soltar...
amar!
 
sem esse medo tamanho,
que sonhos fazem minguar...
feridas não posso mais acumular...
 
mas sigo daqui... você daí...
ainda só no olhar
fantasias no ar...
que o tempo faz desacelerar.
 
mas hoje eu vi o brilho dos teus olhos aumentando
já não dando mais pra disfarçar...
começam a nos delatar.
 
água em minha boca...
eita, vontade louca...
tenho que sufocar...
tá difícil respirar...
 
distância necessária
estória que não posso mudar...
 
Publ. Recanto das Letras - 26/11/08 - Má Oliveira - 
Cód do texto: T1304245
 

Postado por Má Oliveira às 23h16
Deixe uma mensagem

Final do Primeiro Tempo

Má Oliveira

 

É tão irrelevante se meus cabelos insistem em não manter a antiga cor...

já não me incomodo em ver no rosto, traços e linhas, que até ontem, não estavam ali...

O que me faz falta é o mundo que eu tinha...

onde a gente podia brincar na rua

uma caixa de papelão virava carrinho e a gente se divertia, deslizando morro abaixo

a bola caia na casa do vizinho, ele devolvia

e ainda nos sorria...

as pessoas se davam bom dia!

toda manhã, nas escolas, cantavamos o Hino Nacional e a gente arrepiava...

Patriotismo era coisa natural...

Professor era Senhor...

Amar e respeitar os pais era espontâneo

No meu tempo, crianças não eram espancadas e nem viviam abandonadas pelas calçadas...

Sou do tempo em que se podia ir pra escola sozinha...

É... não fui eu que envelheci...

Quem envelheceu foi o mundo...

ele se tornou mais amargo, inospede e ranzinza...

Eu?

Eu continuo sorrindo demais...

devolvendo bolas que caem no meu quintal...

me cobro menos...

nunca me disse tanto "sim!"

Não me preocupo tanto com roupas,

perdi a vaidade?

não!

Perdi a futilidade...

Meus seios estão um pouco abaixo de onde eram...

mais nutri três filhos com eles...

Não tenho mais a agilidade de antes...

mas hoje tenho sabedoria pra fazer as mesmas coisas de formas alternativas...

já não me preocupo tanto em ensinar...

me empenho mais em aprender...

assumo mais meus erros, culpo menos o destino...

fui derrotada várias vezes, me abati, mas aprendi...

já não discuto tanto... mas mostro como penso diferente...

aprendi a derrubar muitos muros...

e ainda não sei bem a hora em que devo erguê-los

Mas o mais importante, é que hoje não brinco mais com a vida,

brinco de viver

e estou me saindo muito bem

mais velha, mas mais leve e muito feliz!!!

Quarenta e cinco anos, encerrado o primeiro tempo, dispenso intervalos, "simbora",

o jogo da vida não pode parar.

 

 
Publ. Recanto das Letras 20/11/208 -Má Oliveira -Cód do texto: T1293477

Postado por Má Oliveira às 23h13
Deixe uma mensagem

Com Malícia...

Má Oliveira

 

Força do teu olhar???

Bastou...

Minha imaginação asas ganhou

O corpo despertou...

Mamilos enrijecidos, só em supor

receber o peso do teu amor...

enlouquecida desejando

teu delicado mordiscar,

e sem dor,

ser delineada com sabor...

Lábios umedecidos,  buscando os teus...

que chegam sedentos sobre os meus...

Coração disparado...

suas mãos provocantes...

minhas coxas mais distantes...

Esse mel, não deu pra controlar

adocicando o ar...

Loucura, me levando do inferno ao céu,

te vendo sorver esse coquetel...

O melhor de mim aflorando...

você, degustando...

Domada...

gemidos disfarçando...

meu gozo te entregando

Na força desse teu olhar

que,  profundamente,

 vai me penetrando...

 

Publicado no Recanto das Letras 13/11/08- Má Oliveira - em Código do texto: T1280849

Postado por Má Oliveira às 23h06
Deixe uma mensagem

Sem Malícia...
Má Oliveira
 
Não havia malícia
e ela nem deveria chegar...
Mas não deu pra controlar...
Ventania trazida por outro olhar...
 
Coração segmentado,
não pude controlar...
entre a pomba e o gavião
nasceu esse dúbio voar.
 
através da vidraça
não me contento mais em olhar
e, pelos cantos,
não quero mais teias acumular
 
se teus olhos marejarem
o que poderás me cobrar?
se do teu veredicto
eu jamais vou escapar...
 
caminhos se estreitaram
braços d'água correram pra outro lugar...
desembocando em rios,
que você profetizou,
eu iria navegar
 
e o que pode lhe parecer
desatino meu...
não lhe é lícito aquilatar
 
uma vez que teus pratos
sempre penderão
só na tua direção...
 
não avaliando anos de decepção...
 
correntes serão cortadas
sem a tua permissão
e essa maldita mordaça
ficará pelo chão...
 
só não sei ainda,
como materializar essa decisão...
ainda temendo
sua hedionda reação...
 
 
Publ no Recanto das Letras em 03/11/2008 - Má Oliveira - Cód do texto: T1263540
 

Postado por Má Oliveira às 23h02
Deixe uma mensagem